Localização:
Rua do Horto, 1799 – Horto Florestal – zona Norte – São Paulo.
Horário de funcionamento: aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 17h.
Tel.: (11) 2203-0115.
Localizado na zona Norte da capital paulista e incluindo áreas de municípios vizinhos, como Mairiporã, Guarulhos e Caieiras, o Parque Estadual da Cantareira possui uma das maiores áreas de mata, dentro de região urbana, do mundo.
Com mais de 7.900 hectares de Mata Atlântica, o parque, destinado principalmente ao ecoturismo, abriga diversas espécies animais e vegetais – algumas, inclusive, ameaçadas de extinção – e é considerado uma Unidade de Conservação de Proteção Integral (área natural de preservação da biodiversidade, onde é permitido somente o uso indireto de seus recursos.), tendo sido, graças a isso, tombado pela Unesco.
Para os que gostam de praticar esportes e apreciar bons momentos em meio ao ar livre e à natureza, o parque é o local ideal. Dentro da gigante Serra da Cantareira, o Parque é dividido em núcleos, que contam com área de piquenique, toaletes e visitas monitoradas. São eles:
– Núcleo Pedra Grande, primeiro a ser aberto ao público, em 1989, com três trilhas conhecidas por proporcionar ao visitante contato direto com a Mata: Trilha das Figueiras, com 1.200 m de percurso que varia de suave à íngreme; Trilha da Bica, com 1.500 m de percurso suave, passando por uma mini bacia hidrográfica; e a Trilha da Pedra Grande, que consiste em uma antiga estrada, com um percurso de 9.500 m, que leva à Pedra Grande, de onde é possível observar um panorama da cidade de São Paulo. Além das trilhas, o núcleo possui anfiteatro e museu.
– Núcleo Engordador, chamado assim por abrigar uma antiga fazenda onde era realizada a “engorda” do gado, conta com a Trilha da Cachoeira, com aproximadamente 3.500 m, passando por cachoeiras e rios; a Trilha do Macuco, com um leve percurso de 700 m, que acompanha um riacho; e a Trilha de Mountain Bike, com 1.400 m e única trilha para prática de ciclismo do local. É possível também visitar a ‘Casa de Bombas’, tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), construída em 1894, que fez parte do primeiro sistema de abastecimento de água de São Paulo.
– Núcleo Águas Claras, mais voltado à educação ambiental (principalmente no que se refere à preservação dos rios), o núcleo possui quatro trilhas: a Trilha das Águas Claras, com cerca de 700 m, que passa por pequenas corredeiras e quedas d’água; a Trilha Samambaia-açú, com 1.250 m, repleta de samambaias de até dois metros de altura; a Trilha das Araucárias, com aproximadamente 1.250 m, com diversos tipos de pinheiros em suas alamedas; e a Trilha da Suçuarana, com 1.200 m de bosques e vegetação ribeirinha.
– Núcleo Cabuçu, último a ser construído e revitalizado recentemente para maior proteção da floresta nativa, possui anfiteatro, centro de visitantes, playground e as trilhas da Jaguatirica, com 1.000 m e um percurso suave; Tapiti, com 250 m e árvores de diversas espécies; do Sagui, com 730 m e de nível fácil; e da Cachoeira, com 5.220m, percurso íngreme e uma pequena cachoeira em seu final.